METAS DE LEITURA PARA 2018: VOCÊ ESCOLHEU E EU VOU LER

Todos os anos, mantenho o hábito de escrever metas para o ano seguinte. Não me lembro quando eu comecei a fazer isso, mas, com certeza, há mais de uma década. E esse hábito, aos pouquinhos, foi se aperfeiçoando até virar uma técnica que influencia positivamente a minha vida. Gosto de ensinar e fazer juntos com amigos e pessoas queridas também. Por isso, vou compartilhá-lo com vocês.

O QUE SÃO METAS?

Objetivo diz respeito a um fim que se quer atingir. Nesse sentido, é sinônimo de alvo definido em metas. Ou seja, metas são as ferramentas que nós utilizamos para atingir um determinado objetivo. Como toda ferramenta, nós somos os senhores das metas e não as metas são nossos senhores. Ninguém deve se tornar escravo das metas ou se punir por não ter atingido determinada meta.

A questão é sempre usar as metas ao nosso favor e para o nosso benefício. Para isso, as metas devem ser simples, claras, atingíveis e mensuráveis. Por exemplo, quero perder peso não é uma meta. Mas Vou acompanhar meu peso toda segunda-feira de manhã (e anotar), Irei à academia, pelo menos, três vezes por semana e me exercitarei por, pelo menos, uma hora e meia. são metas que, potencialmente, te levarão ao objetivo de perder peso.

Imagens retirada do site Pixabay.

É muito importante, além disso, escrever as metas. Por quê? Porque, muitas vezes, nós achamos que sabemos as nossas metas, pensamos sobre elas e elas estão na nossa cabeça, mas o cérebro prega muitas peças. Ele aceita duas metas contraditórias e não percebe isso. Eu mesma queria fazer três viagens em 2018 todas na mesma semana e não tinha percebido nenhum conflito nisso até que comecei a escrever. Quando a gente escreve, parece que o nosso cérebro ganha mais tempo para pensar, pois precisamos de um tempo para levar a ideia às mãos, aí fica mais fácil de identificar contradições e incoerências. Essas viagens também representam um desafio para as metas do blog porque vou ter que aprender a escrever viajando, programar postagens e coisa e tal.

UM PRINCÍPIO NORTEADOR A CADA ANO

Além disso, como eu prático Yoga, eu costumo adotar um princípio norteador, de acordo com a filosofia do Yoga, para cada ano. Escolho um princípio (ou aquele princípio me escolhe) e, durante todo aquele ano, as minhas metas estarão em conformidade com aquele direcionador. Para 2018, o princípio é Satsanga ou Satsang.

Satsang vem do sânscrito, Sat, verdade e Sanga, companhia. Geralmente é traduzido como “encontro com a Verdade” e se refere ao ato de se sentar junto com um mestre ou uma mestra iluminado(a) - ou alguns mestres - e aprender com eles. Em Satsang, geralmente os discípulos se reúnem e fazem discussões, meditações e leituras junto ao mestre (que pode ser físico ou imaginário). No meu atual estado de evolução, interpreto Satsang como a viver em comunidade, cercada de pessoas que também se dedicam à busca do conhecimento e poder ensinar e aprender com elas. Esse será o meu princípio para o ano de 2018.

AS METAS PARA 2018
Eu tenho metas para cada área da minha vida (pessoal, profissional, financeira, emocional, física, espiritual, social etc.). Entre elas, metas de leitura. Como penso que 2018 será um ano mais desafiador para mim em termos profissionais, minha primeira meta é:

Ler por, pelo menos, 30 minutos todos os dias.

Em 2017, essa meta era de uma hora. E ela foi atingida, com alguns sacrifícios, mas foi.

Porque o princípio norteador é Satsang, resolvi pedir recomendações de leitura para os amigos que também gostam de ler. O problema é que eu recebi muito mais recomendações do que eu esperava. Em 2017, li 35 livros, mas a meta eram 12 específicos. Recebi 22 recomendações para 2018. Alguns amigos recomendaram mais de um livro (apesar de eu insistir para que fosse só um). Considerando essas recomendações adicionais, eu recebi 26 sugestões de leitura. Desanimou um pouco. Mas vou aceitar o desafio. A meta é ler:
1.                 Fora de Séria – Outliers – Malcolm Gladwell
2.                 O Homem que amava os Cachorros – Leonardo Padura Fontes
3.                 O Sétimo Filho – Joseph Delaney
4.                 Quincas Borbas – Machado de Assis
5.            Xógum – A Gloriosa Saga do Japão – James Clavell (ler no original, em inglês)
6.                 Memórias de uma Gueixa – Arthur Golden (ler no original, em inglês)
7.                 O Grande Gatsby – F. Scott Fitzgerald (ler no original, em inglês)
8.                 Der Teufel von Mailand – Martin Suter (sem tradução, ler em alemão)
9.                 Siddhartha – Hermann Hesse (ler no original, em alemão)
10.            Dom Quixote – Cervantes
11.            Novo Testamento
12.            Terra Negra – Timothy Snyder
13.            A Mentira – Nora Roberts


Imagens retirada do site Pixabay.

14.            Lolita – Vladimir Nabokov
15.            O Velho e o Mar – Ernest Hemingway
16.            1984 – George Orwell
17.            Admirável Mundo Novo – Aldous Huxley
18.            Budismo Moderno – Geshe Kelsang Gyatso
19.            O Sinal e Ruído – Nati Silver
20.   A Mente acima do Dinheiro – O Impacto das Emoções em sua Vida Financeira – Brad e Ted Klontz
21.            O Último Voo do Flamingo – Mia Couto
22.            Sapiens – Uma Breve História da Humanidade – Yuval Noah Harari
23.            Matadouro 5 – Kurt Vonnegut
24.            Orgulho e Preconceito – Jane Austen
25.          The almost nearly perfect people: behynd the myth of the Scandinavian utopia – Michael Booth (sem tradução, ler em inglês)
26.            Consciência Cósmica – Richard Maurice Bucke

SÓ ALGUNS COMENTÁRIOS...

Meta 11. Já li a Bíblia inteira (incluindo diversas traduções), pelo menos, seis vezes. Na verdade, eu perdi as contas de quantas vezes eu já li. Essa amiga recomendou o Novo Testamento inteiro, mas eu vou ler apenas os Evangelhos. Aprecio o esforço de amigos de mais de 20 anos que ainda querem me converter.

Meta 4. É interessante notar que o único amigo que me recomendou um autor brasileiro, é grego. Ele já leu as obras completas de Machado de Assis (traduzido para o grego) e, nós fomos conversando até descobrir um livro do maior autor brasileiro que eu não tinha lido. Vou procurar sempre encaixar a leitura de autores brasileiros em 2018.

Metas 13 e 24. É muito triste para mim perceber que esses são os únicos livros escritos por mulheres. E eles parecem romances água com açúcar (ainda não li para ter certeza), reforçando o estereótipo de gênero. Vou procurar sempre encaixar leitura de outras mulheres em 2018.

Metas 5, 6, 7 e 25. Eu falo inglês. Acho que até fluentemente. Mas não consigo ler tão fluentemente quanto em português. Isso vai ser um problema para mim. Significa que, em algumas semanas, vou ter que “enrolar” os posts, escrevendo sobre livros que já li ou sobre metade de uma leitura.

Metas 8 e 9. São as mais desafiadoras de todas. Estou entrando no nível intermediário de alemão (eu tenho minhas próprias metas de aprendizado desse idioma, mas isso seria assunto pra outros blog). Eu preciso dar um salto de aprendizagem para atingir essas metas e pode levar muito tempo. Isso significa que, durante muitas semanas, vou “enrolar” vocês e falar da Suíça, da Alemanha, de História, Política e receitas de bolo...Risos.

Meta 14. O amigo que me recomendou esse livro é um pouco... fanfarrão! Mas eu vou lê-lo.

METAS PARA O BLOG EM 2018

Escrever um post por semana todo domingo.

Postar um vídeo por mês toda última semana do mês.

Você já fez as suas metas? O que quer ler em 2018? Recomenda alguma leitura?

Muito obrigada a todos vocês que curtem o nosso trabalho. Por favor, fiquem à vontade para deixar críticas, sugestões, comentários e acompanhar a nossa página no Facebook.

Para quem quer saber mais sobre como tirar metas do papel, segue um vídeo super bacana da Nati do canal Me Poupe.



BOA SEMANA! BOAS LEITURAS!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMO SABER SE É UMA PESQUISA CIENTÍFICA DE VERDADE?

FERNANDO PESSOA: OUTRA VEZ TE REVEJO... - CLEONICE BERARDINELLI

TOMADA DE DECISÃO PARA PROFISSIONAIS