O VERDADEIRO AMOR NÃO SE DIVIDE, E HÁ DE SER VOLUNTÁRIO, E NÃO FORÇADO - CERVANTES

Na noite do Oscar, na semana do Dia da Mulher, escrevo para o blog e o que estou lendo? O Engenhoso Fidalgo Dom Quixote da Mancha de Miguel de Cervantes, uma edição de 2010 da Editora Abril (em dois volumes), traduzida por Carlos Nougué e José Luis Sanchez. Não tem muito a ver com a temática da época, porque até os tradutores são homens. Segundo a professora Janice Theodoro, uma das melhores traduções dessa obra para o nosso idioma é do poeta Ferreira Gullar.


Mas Dom Quixote é um clássico da Literatura Universal. E, como clássico, ele transcende épocas e lugares para atingir todos os públicos. Ele fala da alma do ser humano e essa essência é eterna e imutável. O escritor Ítalo Calvino no livro Por que ler os Clássicos? descreve como a leitura dessas obras nos ajuda a entender os problemas atuais. Segundo ele, um clássico é um livro que nunca terminou de dizer o que tinha para dizer. O programa Café Filosófico fez uma série com especialistas discutindo clássicos sob a perspectiva moderna. Quem discute Dom Quixote é a professora Janice Theodoro. Assista o programa na íntegra no link abaixo.


O Dom Quixote foi escrito entre 1547 e 1616, sua primeira edição foi publicada em 1615. Ele se destaca por ser um dos primeiros livros a escrever no idioma espanhol como ele era falado. Antes disso, os textos costumavam ser muito “latinizados” e usavam uma linguagem rebuscada. Na verdade, a primeira autora é escrever em espanhol coloquial foi Santa Teresa de Ávila, ao escrever O Livro da Vida em 1567. Mas, talvez, por ser mulher, ela nunca pôde publicar a sua obra. O que aconteceu é que a obra “vazou”. As pessoas gostavam tanto da leitura, que começaram a fazer cópias ilegais do manuscrito. Graças a isso, sua obra sobreviveu.

Mas, voltando a Dom Quixote, o personagem magistral que junta a loucura com a dignidade. Entre as grandes ilustrações da obra, confira a de Pablo Picasso. Estou lendo o comecinho do primeiro volume. Até aqui, tenho vontade de falar de duas obras que conheci recentemente e que são mencionadas por Cervantes: Cantar de Mio Cid e La Araucana. Cantar de Mio Cid é um texto escrito entre 1140 e 1207. As filhas do Cid, em certo ponto da estória, são violentadas e agredidas, como uma forma de vingança contra o Cid. Esse ato de “vingança” (por que será que é sempre contra as mulheres?) gerou o lindo quadro abaixo. La Araucana é um poema épico, escrito entre 1569 e 1589, que descreve a conquista do Chile. É impressionante o fato de isso ser citado por Cervantes. Para se traçar um paralelo, seria como se Camões citasse um poema épica que descrevesse a conquista do Brasil.
Las hijas de Cid - Ignácio Pizano (1879).

Agora o ápice da minha leitura (até agora), foi a morte do jovem Grisóstomo. Esse jovem se suicidou porque não tinha um amor correspondido. Ele era apaixonado por uma jovem rica chamada Marcela. Ela era órfã e seu tio não fazia muita questão que ela se casasse... De qualquer modo, a Marcela está sendo “acusada” pela morte do rapaz. A própria Marcela apareceu no enterro do jovem e leiam o que ela disse:
‘- Não venho, ó Ambrósio!, por nenhuma das que disseste – respondeu Marcela -, mas volto por mim mesma, e para mostrar quão despido de razão estão todos aqueles que de suas penas e mortes de Grisóstomo me culpam; e, assim, peço a todos os que aqui estais que me prestais atenção, que não será mister muito tempo nem gastar muitas palavras para persuadir de uma verdade os sensatos. Fez-me o céu, de acordo com o que vós dizeis, formosa, e de tal maneira, que, sem poderdes fazer outra coisa, a que me ameis vos move minha formosura, e pelo amor que me mostrais dizeis e ainda quereis que esteja eu obrigada a amar-vos. Eu sei, com natural razão que Deus me deu, que tudo o que é formoso é amável; mas não consigo compreender que, em razão de ser amado, esteja obrigado o que é amado por formoso a amar a quem o ama. Mais sendo o feio digno de ser aborrecido, mui mal seria o dizer: “Amo-te por formosa: tens de amar-me ainda que seja feio”. Mas, no caso de serem parelhas as formosuras, nem por isso hão de ser parelhos os desejos, porque nem todas as formosuras enamoram: algumas alegram a vista e não rendem à vontade; se todas as belezas enamorassem e rendessem, seria um andarem as vontades confusas e desorientadas, sem saber em qual haviam de parar, porque, sendo infinitos os sujeitos formosos, infinitos haviam de ser os desejos. E, de acordo com o que ouvi dizer, o verdadeiro amor não se divide, e há de ser voluntário, e não forçado. Sendo assim, como eu creio que o é, por que quereis que se renda minha vontade à força, obrigada tão somente por dizerdes que me amais? Se não, dizei-me: se assim como o céu me fez formosa me tivesse feito feia, justo que me queixasse de vós por não me amardes? (...) Eu nasci livre, e para poder viver livre escolhi a solidão dos campos: as árvores dessas montanhas são a minha companhia, as claras águas destes riachos, os meus espelhos; às árvores e às águas comunico meus pensamentos e formosura.”
Muito jovem Cervantes entrou num duelo por causa de uma moça. Ele não pôde se casar com a mulher que ele amava. Na voz de Marcela, escuto aquela jovem por quem o autor se apaixonara na juventude, aquele amor não realizado.
Muito obrigada a todos e todas que acompanham as nossas postagens. Além da nossa página no Facebook, agora também podem acompanhar as leituras pelo Instagram.
BOA SEMANA!

BOAS LEITURAS!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMO SABER SE É UMA PESQUISA CIENTÍFICA DE VERDADE?

FERNANDO PESSOA: OUTRA VEZ TE REVEJO... - CLEONICE BERARDINELLI

TOMADA DE DECISÃO PARA PROFISSIONAIS