COMO EU FUI PARAR NA ETIÓPIA (SOZINHA)? E O QUE EU EXPERIMENTEI POR LÁ?

 

Como a maioria já deve saber, o ator Chadwick Aaron Boseman, que fez o herói do filme Pantera Negra, morreu no dia 28 de agosto último, vítima de um câncer. O filme Pantera Negra representou um marco por trazer e integrar diversas referências às culturas africanas.

Nesta semana, vi diversas homenagens ao ator nas mídias, assisti a um episódio no YouTube da Coluna do Garrone comentando as diversas culturas que existem no continente africano e os pensamentos equivocados das pessoas. O episódio África (Muito além de Wakanda) da Coluna do Garrone dura 31 minutos e 42 segundos. Ela é superbreve, por ser uma introdução, mas ela é clara e didática. Tudo em português. O Garrone é um superjornalista. Por isso, vou deixar o link completo para o vídeo aqui embaixo.




 

Resumindo:

#1. A ÁFRICA É UM CONTINENTE NÃO UM PAÍS

#2. TEM MUITA COISA PARA VER LÁ

 

AGORA, COMO EU FUI PARAR NA ETIÓPIA?

 

Para completar a semana, um amigo veio comentar comigo sobre o episódio que ele viu na GNT sobre a Etiópia. Meu amigo ficou com vontade de visitar o país, como ele sabe que eu já visitei, veio conversar. Entre as pessoas famosas, o Fábio Porchat é uma pessoa que já fez diversas viagens para a África. Eu já ouvi ele falando que uma das melhores viagens da vida dele foi para o Congo, para o parque de gorilas (o Parque Nacional Virunga, link para Wikipédia em inglês aqui). Além disso, também escutei ele falando que fez uma viagem sozinho para Etiópia, durante 10 dias, porque ele queria estar em paz e refletir sobre a vida.


Parque Nacional de Virunga, no Congo.
Local único no mundo, por proporicionar a experiência com gorilas.
Foto da Wikipédia.


Eu fui muito rapidamente para a Etiópia. Fiquei só na capital, Adis Abeba, mas me apaixonei pelo país. Acreditem ou não, eu fui para lá sem planejar nada. Era uma conexão para Índia, eu fiz ela durar dois dias na Etiópia e pronto. Não reservei hotel, não contratei guia, não tirei nem visto.

Cheguei no aeroporto e pedi, no guichê da companhia aérea, para sair e conhecer a cidade, porque eu tinha lido, no blog de um fotógrafo, que a Ethiopian Airline pagava visto e hotel para casos como o meu, de conexão. Eu perguntei no Brasil se isso era verdade e a representante da empresa não conseguiu me informar. Pensei: "Chegando lá, eu resolvo. Vou pagar para ver". Aliás, antes de ir, eu perguntei para um aluno meu, que é piloto internacional há mais de 20 anos, se a  empresa Ethiopian Airlines era boa. Ele me respondeu que é uma das melhores em operação no mundo, com a frota mais renovada.


Ethiopian Airlines foi uma empresa aérea que me surpreendeu pela qualidade.
Foto pessoal.


Não rolou o hotel, mas me deram o visto de graça e me recomendaram um hotel e a van, que me levaria para o hotel. Entre o aeroporto e a van tinha uma área turística, com vários guias turísticos, todos certificados pelo governo. Eu fiz contato com um, chamado Kaleab, e combinei que ele me pegasse de carro no dia seguinte para fazermos os pontos turísticos da cidade. Eu cheguei à noite na Etiópia.

 

#3. NEM TUDO NA ÁFRICA É CALOR

 

A primeira surpresa que eu tive foi que o país é muito frio. Aquele clima da cidade de São Paulo no inverno. Eu cheguei de short e camisa e estava dez graus, quando eu saí do avião. Quase congelei. Para não falar que eu não me preparei de forma nenhuma para essa viagem, eu me preparei, sim. Eu contatei um etíope no campus da USP e perguntei para ele sobre vestimentas. Se tinha alguma roupa que, se eu usasse, ofenderia os locais. Ele disse que não. Mas, em momento algum, ele me disse que era frio demais para eu pensar em usar pouca roupa...

 

O QUE ACONTECEU QUANDO EU PEDI UM PRATO TRADICIONAL DE ALGO QUE EU NÃO SABIA O EU ERA: INJERA, WOT E CAFÉ

 

Antes de ir, um amigo tinha me recomendado experimentar o prato típico da Etiópia, a injera (link da Wikipédia em português aqui).Imagina se eu fui pesquisar o que era. Só falei, sim, e memorizei a sugestão. Eu só descobri que era um tipo de pão lá. E só descobri que esse pão não é feito de trigo, muito tempo depois. A injera é um pão feita de uma planta chamada Eragrotis tef, chamada em inglês de tefe, é um cereal comum da Etiópia e da Eritréia. A base da alimentação local. 


A injera é este pão, com ele, as pessoas agarram uma porção de comida
para a levarem à boca.
Come-se coletivamente, todos no mesmo prato.
Foto da Wikipédia.

Por falar em plantas, a Etiópia é um país vegano. Em alguns dias da semana, é proibido comer alimentos de origem animal. Não sei o porquê. Só sei que eu cheguei em um dia desses e foi muito estranho comer bolo sem leite no hotel. Mas era muito gostoso. A comida africana, pelo que eu provei e pelo que já conversei com colegas pesquisadoras nigerianas, é muito parecida com a comida brasileira. Só que a etíope, na maioria dos casos, não tem carne.


Esta planta é a tefe, ingrediente original da injera. 
Como a  produção dessa planta não é muito grande, 
a farinha tornou-se relativamente cara e passou a ser misturada.
 Devido a essas misturas, existem vários tipos de injera.
Foto da Wikipédia.


Aí eu cheguei para o meu guia e pedi para provar a injera e tomar café (a Etiópia é o país de onde o café se originou). Ele me perguntou qual injera. Parece que tem várias. Aí eu respondi “a tradicional”. Ele sorriu e me levou em um restaurante bem popular. Nem era hora do almoço, a dona do restaurante aceitou fazer uma “injera” mais cedo só para me agradar porque eu era turista. Agora, pensando retrospectivamente, o que eu comi foi um wot, feito de injera (link para Wikipédia aqui).

O problema é que ela fez o prato na minha frente. Era nojento assistir a ela preparar, colocando um monte de coisas meio nojentas dentro de uma bola e depois assando a bola de uma forma não convencional. Todo mundo rindo, feliz, os etíopes felizes porque eu queria conhecer a cultura deles. Foi nesse momento que eu pensei “Eu pedi esse prato. Eu vou ter que comê-lo” e xinguei o meu amigo mentalmente. Aí o prato veio em uma bandeja, uma bola de injera, recheada de legumes, servida em uma bandeja. Como eu era a “visita” me deram uma faca e pediram para eu estourar a bola. Acho que era um tipo de reverência. Na hora que eu estava furando a bola, eu xinguei mentalmente até a mãe do meu amigo. Tenho certeza que ele só provou injeras limpinhas em restaurantes etíopes da Europa e da América do Norte. Mas eu já estava lá mesmo, aí eu deixei rolar e comi. Era muito gostoso.


Meu guia e nosso motorista comendo injera. Me deram o ovo cozido que estava dentro da bola, acho que também era para me agradar, porque eu era turista. Este par de tênis são meus pés.


Só que eu recomendo fortemente que, se você for na Etiópia, não assista o pessoal cozinhando as comidas típicas. Para o seu bem psíquico. Ao contrário do que aconteceu com o Fábio Porchat, não tive nenhum problema digestivo com comida ou com a água lá. Depois desse almoço maravilhoso, tomei um café também tradicional. Foi o melhor café da minha vida. Tudo valeu a pena só por aquele momento. Eu sou praticamente sommelier de café (já fiz dois cursos de degustação e harmonização de grãos). Foi uma das melhores experiências gustativas da minha vida. Eu iria na Etiópia, sairia do aeroporto só para tomar aquele café, achando que valeu a pena a viagem.



A dona do restaurante conversando com um cliente. 
Ao centro, o móvel utlizado para servir café. 
Aliás, o melhor café da minha vida!

Se deixar, eu fico falando da Etiópia até o fim dos tempos... Ainda tem muita coisa para falar, tais como a diferença entre os pontos turísticos no sul e no norte do país. Também gostaria de falar sobre outros países africanos, que, aos poucos, estou tomando conhecimento, tais como o Mali, Moçambique, Nigéria, Madagascar, Congo, Benin, Argélia, etc. É assunto para uma vida. Não quero me comprometer, mas, aos pouquinhos, aproveito este espaço para compartilhar um pouco mais de descobertas sobre esse continente tão maravilhoso, que é a África.

Muito obrigada por permitirem que eu compartilhe isso. Querendo saber mais novidades, vocês me acham no Facebook e no Instagram.

 

BOAS LEITURAS!

 

 






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMO SABER SE É UMA PESQUISA CIENTÍFICA DE VERDADE?

FERNANDO PESSOA: OUTRA VEZ TE REVEJO... - CLEONICE BERARDINELLI

TOMADA DE DECISÃO PARA PROFISSIONAIS