MÃES ARREPENDIDAS - UMA OUTRA VISÃO DA MATERNIDADE

 

Terminei de ler o livro “Mães Arrependidas – Uma Outra Visão da Maternidade” da socióloga israelense Orna Donath. Antes que alguém pergunte, a coisa que eu mais quero na vida é ter filhos. Só que eu sou filha única de pais idosos e doentes. Não tenho nenhum parente vivo com quem possa contar. Também tenho transtorno de espectro autista e, quando eu nasci, meus pais tinham 37 anos. Provavelmente a idade avançada deles, contribuiu para que eu fosse autista (coisas que ninguém te fala sobre ter filhos depois dos 30).




Como eu estou com 33 anos... Não acredito que eu possa ou seja conveniente ter filhos nessa idade (Por favor, não perca seu tempo tentando me convencer do contrário). Graças a D’us, eu não tenho nenhum problema em adotar, não sou daquelas mulheres que sonha e faz questão do processo da gravidez. Eu gostaria, mas não faço questão. Eu foquei minha vida em conseguir alta renda e estabilidade para poder ter autonomia e poder adotar. Graças a D’us, também estou conseguindo. Por isso, estou em uma fase lendo livros sobre filhos e maternidades. Eu comprei dois livros de uma lista sobre livros que toda mulher deveria ler antes de se tornar mãe. Este era um deles.

Já ouvi dizer (no programa Democracia na Teia do Pondé), que, em Israel, a média de filhos por mulher, entre as não-religiosas, é quatro filhos e, entre as religiosas, é nove. Acredito que seja a maior taxa de natalidade entre os países desenvolvidos. Deve haver uma pressão social muito forte para ter filhos em Israel, e a autora é uma militante contra isso.

Mas, baseada na minha experiência de vida no Brasil, o que a autora conta no livro é algo entre “ficção científica” e “surrealismo”. É uma realidade tão diferente da minha que é desafiador traçar um paralelo.

A autora entrevista 28 mulheres (anonimamente) que se arrependiam da maternidade. Eram mulheres de diversas idades, diversas classes sociais, estados civis, compartilhamento do cuidado dos filhos, etc.

Quando eu li o título “mães arrependidas”, eu pensei em “arrependimento” no caso das mães que veem seus filhos passando fome ou com uma doença terminal, aí alguém vai lá e pergunta “Você se arrependeu na maternidade?”. É lógico que alguém assim, no intenso sofrimento, pode dizer “sim”. Mas, esse não é “arrependimento” que o livro trata. A autora define arrependimento para Sociologia. Alguém só pode se arrepender se, em condições livres, tranquilas e normais, ela reflete sobre a decisão que tomou e vê mais desvantagens do que vantagens. Essas declarações ditas em extremos sofrimento, que eu imaginei, são apenas sofrimento mesmo e não caracterizam um arrependimento para a Sociologia.

A autora milita que, independentemente das circunstâncias (serem ricas e terem apoio familiar), algumas mulheres não queriam (e não querem) ter filhos. E que isso deveria ser aceito pela sociedade. Embora pareça surrealismo para mim, aceito que todas as pessoas devem ser respeitadas, que muitas delas se arrependem da maternidade e não dos filhos, que são boas mães e que não são pessoas monstruosas por isso. Depois da leitura, sou mais consciente de que existem mulheres assim e de que elas devem ser apoiadas.

Uma reflexão interessante é sobre a dicotomia “mulher que quer ser mãe” e “mulher que ter uma carreira”. Muitas mulheres que não querem ser mãe também não querem ter uma carreira, elas querem só viver de boa e ter uma renda básica para garantir a autonomia. Na verdade, isso faz todo o sentido para mim, porque se eu não quisesse ter filhos, eu jamais seguiria uma carreira. Do lado oposto do jogo, eu sempre tive que enfrentar o choque das pessoas em saberem que eu queria ser mãe e ter uma carreira. Fiquei aliviada em saber que também existem mulheres que não querem nenhuma das duas coisas e elas se sentem tão discriminadas quanto eu.

Acho que a linha fundamental da autora é que quando uma mulher diz que não quer ter filhos, sempre dizem para ela “você vai se arrepender”, mas nunca dizem a uma mulher que quer ter filhos, “você vai se arrepender”. Sendo que podemos nos arrepender de qualquer dos nossos atos (fumar ou parar de fumar, praticar exercícios ou não praticar, etc.), tanto de ter quanto de não ter filhos. Eu me arrisco a dizer que a probabilidade é quase a mesma para os dois atos (tudo depende do nosso autoconhecimento). Mas só um tipo de arrependimento é tabu na sociedade.

É muito surreal para mim, porque eu já ouvi, mais de uma vez, que se eu quiser “atrair” um homem, eu não posso dizer a ele que quero ter filhos nos primeiros encontros, eu preciso dizer que não quero, e depois ir seduzindo o homem, até que ele mude de ideia. Eu acho isso um absurdo, porque quando um casal tem os mesmos objetivos no médio e longo prazo, o relacionamento, ainda assim, é muito difícil de ser construído e exige empenho. Imagina quando eles não têm? Um quer ter filhos e o outro, não. É pedir para dar errado.

Também teve uma vez, na indústria, que um gerente de outro setor, sem me perguntar nada, ele simplesmente assumiu que eu não queria ter filhos, por ter 20 e poucos anos e estar na empresa trabalhando, sem ninguém começar um assunto sobre filhos, do nada mesmo, ele costumava dizer várias vezes: “Minha mulher, quando eu conheci, tinha 28 anos e também dizia que não queria ter filhos. Aí a gente casou, o relógio biológico bateu e, com 32 anos, ela já tem dois.”. E eu pensando: “Ela te fez de trouxa e mentiu para você, conforme a cartilha para arranjar marido. Será que você não sabe mesmo? Ou não quer acreditar que sua mulher minta para você e te manipule?”.

Para quem viveu esse tipo de realidade, como eu, os exemplos que a autora trouxe são surreais. É um tema polêmico. É um livro que vale a pena ser lido pela ousadia do tema. Ele é bem escrito e bem editado. Vale a pena lê-lo, mesmo que você termine, como eu, achando que o livro não foi escrito para você.

Muito obrigada por permitirem que eu compartilhe isso. Querendo saber mais novidades, vocês me acham no Facebook e no Instagram.

 

BOAS LEITURAS!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMO SABER SE É UMA PESQUISA CIENTÍFICA DE VERDADE?

FERNANDO PESSOA: OUTRA VEZ TE REVEJO... - CLEONICE BERARDINELLI

TOMADA DE DECISÃO PARA PROFISSIONAIS