" SE MACHADO DE ASSIS EXISTIU, O BRASIL É POSSÍVEL" - NÉLIDA PIÑON

Nélida Cuíñas Piñón é a quarta mulher a ingressar na Academia Brasileira de Letras e primeira a presidir a instituição em 1996. Possui uma extensa produção literária com inúmeros prêmios nacionais e internacionais acumulados, entre eles o importante prêmio Príncipe de Astúrias das Letras em 2005, pelo conjunto de sua obra. Nélida é o primeiro escritor de língua portuguesa a receber esse prêmio.

Livro das Horas é um livro de memórias publicado em 2013. As características mais marcantes na sua obra são sua grande sensibilidade e erudição. Originalmente, Livro das horas (ou Livro missal) é um livro de orações, criado no final da Idade Média. Embora Nélida também aborde sua religiosidade, não trata-se de um livro de devoção religiosa, mas onde o que predomina é o pensamento, conforme a própria escritora esclarece em um entrevista concedida ao programa Imagem da Palavra [1]. Nélida aborda diversos temas: sua paixão pela literatura, velhice, amigos, morte, sua família de descendência espanhola com forte influência em sua formação, etc. 

Capa de Livro das Horas (Ed.Temas e Debates). Nélida Pinon (Imagem: Revista Fapesp).

“Muitas vezes confessei que sou brasileira recente. Minha família, no Brasil, é mais jovem que as palmeiras imperiais do Jardim Botânico. Carrego comigo a sensação de haver, eu mesma, desembarcado na Praça Mauá, no início do século, no lugar dos meus avós, em busca da aventura brasileira, a única saga que ainda hoje estremece meu coração.”
(Trecho do Discurso de posse de Nélida Piñon na ABL)

Nélida ficou conhecida como defensora dos direitos humanos durante a ditadura militar. Em Livro das Horas, Nélida relata, em detalhes, a sua participação no Manifesto dos mil em 1977 no governo do presidente Ernesto Geisel ("Manifesto dos Intelectuais") durante o a ditadura militar. A escritora Lygia Fagundes Telles, com três colegas, liderou a elaboração de um abaixo-assinado de mais de mil signatários contra a censura. As assinaturas foram entregues no Ministério da Justiça, em Brasília, para o ministro Armando Falcão.

Tratava-se do primeiro documento da sociedade civil a reclamar o fim da censura e volta da democracia. Nélida fazia parte da organização do manifesto e não estaria presente no ato de entrega do documento em Brasília. No entanto, numa última reunião, foi decidido que a sua presença seria indispensável, uma vez que, em caso de algum acidente, ela seria capaz “enfrentar diplomaticamente” o ministro. Algo um tanto irônico, ao considerarmos também que ela levava em sua bolsa um machado e um punhado de tachas, para caso o ministro fechasse as portas do prédio impedindo sua passagem.

Nélida relembra com grande sensibilidade a amizade e também a perda de muitas pessoas queridas, como a sua amizade com os também escritores Clarice Lispector, Marly de Oliveira e Bruno Tolentino. Todos já haviam falecido antes da escrita do livro. Clarice Lispector foi a primeira vítima de câncer em 1977. 

“Desejo encerar o questionamento para falarmos do passado, de Clarice Lispector e Marly de Oliveira. Quando as três íamos visitá-lo no sítio, em Jacarepaguá, onde criava galinhas. (…)
Ríamos e sentíamo-nos jovens e eternos, na iminência de adquirir um amadurecimento que inevitavelmente envenenaria o nosso futuro.” (Livro das Horas, Ed. Temas e Debates p.53)

Foto: Nélida Piñon, Clarice Lispector e Marly de Oliveira.
Uma provocação final de Nélida Piñon:

Eu vou repetir uma frase que vivo repetindo há anos, mas é uma frase que não pode ser mudada: se Machado de Assis existiu, o Brasil é possível.” - Nélida Piñon

Esta postagem faz parte do Desafio Mulheres na Academia Brasileira, que consiste em ler pelo menos um livro de cada escritora e fazer uma postagem sobre ela e sua obra.

Aceita o desafio também? 

Texto de autoria e responsabilidade do blog Literatura Brasileira.

Referências

1. Entrevista ao programa Imagem da Palavra (https://youtu.be/HXM1dSA3OP4)

2. Entrevista à Revista Fapesp

3. "Manifesto dos Intelectuais" em 1977

4. Biografia Nélida Piñon ABL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

VIDA DE DOUTORANDA NO BRASIL... PRA COMEÇO DE CONVERSA, EU NÃO ESTUDO. EU TRABALHO COM PESQUISA

PRIMEIRAS IMPRESSÕES NO CANADÁ

ALEMANHA - KARLSRUHE - PARTE II