PARA MORTADELAS: DUAS RECOMENDAÇÕES DE PRESENTE NESTE NATAL!

Um amigo “coxinha” pediu para recomendar sugestões de presente para “mortadelas” também. Acreditem se puderem, sou liberal convicta para tudo, tanto para os costumes quanto para economia. Porém, contudo, no entanto, nenhum dos políticos vigentes me representa. Não acredito minimamente que eles sejam liberais.
Por esse lado, deveria ser fácil recomendar livros que propaguem corretamente as ideias liberais. Mas, não é. Já tentei ler A Revolta de Atlas da filósofa Ayn Rand. Não dei conta de terminar o primeiro volume. Talvez um dia eu termine, mas achei quase sadomasoquista, uma espécie de 50 Tons de Cinza econômico.
Por outro lado, um livro que mudou a minha vida, que eu li e pensei “Liberalismo é isso, então, eu acredito!” foi O Caminho da Servidão de Friedrich Hayek. Amo, adoro, recomendo esse livro, mas não para “mortadelas”. É muito direto. Seria igual dar O Capital de Karl Marx para um(a) “coxinha”. Eles não vão ter a imparcialidade suficiente para ler. O fanatismo não deixa.

Todo mundo sabe que eu sou fã de carteirinha da filósofa Hannah Arendt. Ela é considerada uma filósofa liberal, mas, acredito que ela mesma não se achasse liberal. Em algumas partes do livro A Origem do Totalitarismo, Hannah Arendt critica os liberais. Eichmann em Jerusalém também é um livro que eu gosto muito. E (pasmem!) a Marina Silva na entrevista ao programa Roda Viva da TV Cultura, citou que, depois da Bíblia, o segundo livro que ela mais lê Homens em Tempos Sombrios de Hannah Arendt. Nunca li, mas está na minha lista. Qual o problema de recomendar Hannah Arendt? É muito difícil de ler para uma pessoa com uma escolaridade mediana, as discussões são muito aprofundadas e muito longas. Se a pessoa for só poser de intelectual, provavelmente, ela vai desistir sem terminar de ler.

Excluídas essas possibilidades pelas razões que eu já expliquei, selecionei também duas sugestões para “mortadelas” ficarem mais abertos a uma menor intervenção do Estado. São elas:

#1 Título: A Revolução dos Bichos
Imagem da capa.
Autor: George Orwell
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2007
POR QUE EU ESCOLHI ESTE LIVRO?
Porque ele é um clássico. George Orwell (1903 – 1950) alimentava ideais de esquerda. Mas, acabou se desencantando com o processo de implementação desses regimes políticos. Quero deixar bem claro que isso foi num contexto histórico quando o comunismo ainda existia, isto é, antes de 1950. Depois do desencanto, Orwell escreveu essa parodia, onde os animais tomam o controle da fazenda e implementam um regime comunista. Vale muito a pena ler e dar de presente. Eu mesma ganhei de um amigo que eu gosto muito.

#2 Título: Diante da Dor dos Outros
Imagem da capa.
Autor: Susan Sontag
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2003
POR QUE ESCOLHI ESTE LIVRO?
Foi o único livro que eu li de Susan Sontag até hoje, mas me apaixonei pelas suas ideias. A autora investiga porque nos tornamos indiferentes as imagens de sofrimento propagadas pela mídia todos os dias. Por que a dor dos outros não nos afeta? Parece que ela escreveu um outro livro sobre o mesmo tema – Sobre Fotografia – em 1977. Mais de vinte anos depois, tendo presenciado episódios como o 11 de setembro, Susan Sontag mudou de opinião sobre alguns pontos a respeito da indiferença humana ao sofrimento alheio e escreveu Diante da Dor dos Outros.
Além disso, Sontag declarou, em 1982, que pessoas “da esquerda”, como ela mesma até então, “contaram voluntariamente ou a contragosto muitas mentiras” e fez uma crítica severa às mídias ideologizadas citando revistas dos dois lados nos EUA. Paralelamente, seria como criticar a Veja, a Folha e a Carta Capital no mesmo discurso. Gerou muita polêmica na época.
Muito obrigada a você que acompanha o nosso trabalho. Por favor, fique à vontade para deixar seus comentários. Também é possível acompanhar as novidades pela nossa página no Facebook.
BOA SEMANA!

BOAS LEITURAS!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESCRITORAS REJEITADAS PELA ABL: CONCEIÇÃO EVARISTO E CLARICE LISPECTOR

" SE MACHADO DE ASSIS EXISTIU, O BRASIL É POSSÍVEL" - NÉLIDA PIÑON

DO QUE A MINHA AVÓ MORREU? DE UM AVC (ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL) E MUITA IGNORÂNCIA