ALEMANHA - AACHEN - PARTE II

Fim de semana passado estive nos Países Baixos, nas cidades de Amsterdan e Maastricht. Neste fim de semana, estive na Bélgica, nas cidades de Bruxelas e Bruges. Mas acho que deveria compartilhar mais do que estou vivendo e aprendendo sobre cultura alemã, do que fazer um descritivo das viagens de fim de semana. Talvez, quando eu voltar para o Brasil, escreva mais sobre esses outros países.
Emmanuel Macron, presidente francês, e Angela Merkel, primeira-ministra alemã (em alemão, chanceler).

Em Aachen, a notícia mais falada da semana é o encontro da chanceler alemã, Angela Merkel, com o presidente francês, Emmanuel Macron. Eles vão se encontrar aqui em Aachen na próxima terça-feira para negociar um acordo relacionado à União Europeia (agora, sem o Reino Unido). Após uma consulta popular (Brexit), o Reino Unido decidiu sair da UE em 2016, mas essa saída ainda não ocorreu até agora. A data limite para que isso ocorra é março de 2018. Existe muito debate e muita discussão sobre essa saída e suas implicações. A melhor explicação sobre o tema que eu encontrei foi o Podcast Café da Manhã, uma parceria entre o Spotify e a Folha (confira clicando aqui). Esse é um tema sobre o qual você precisa ter uma opinião se estiver vindo para Europa, porque todo mundo vai comentar e falar sobre.
Imagem gratuita retirada do site BixaBay, simbolizando a saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

Muitos dizem que a escolha de Aachen para o encontro é simbólica. Aqui os locais dizem “Nós vivemos a Europa” (e não “Nós moramos na Europa). Para eles, Aachen representa o berço da civilização europeia. Seria uma maneira dos governantes francês e alemão dizerem ao Reino Unido: “A Europa existe sem vocês”. Arrogante, mas verdadeiro.
Aachen tem um doce típico chamado printen e lojas especiliazadas só nesse tipo de doce.

Esse é o assunto político mais importante internacionalmente. Depois disso, quero mudar o tema da nossa conversa para “aquecimento”. Não aquecimento global, aquecimento de casa mesmo. Finalmente, entendi como os alemães usam o aquecedor.
Estava indo para o curso com um grupo de brasileiros e passou uma moça correndo. Provavelmente ela era brasileira também, porque usava uma camiseta da Caixa Econômica. E um colega comentou: “Gente, acho que ela não deveria correr usando tão pouca roupa. Nenhum alemão corre assim. Custa imitar os nativos? Ela vai ficar doente assim.”
Escultura do centro de Aachen.

Daí passamos para o assunto: uso do aquecedor. Um colega que já fez intercâmbio na Alemanha durante o ensino médio falou sobre a experiência dele com o uso de aquecedores. Isso é muito comum, praticamente todos os alunos que têm nível de alemão para ganhar essa bolsa do DAAD já viveram antes na Alemanha. Gente, não existe milagre, não. Tudo precisa de investimento, além de esforço pessoal e empenho. Nesse sentido, o programa Ciência Sem Fronteiras permitiu que muitos estudantes de classes mais baixas alcançassem o nível para competir por uma bolsa como essa.
Segundo esse colega que já morou na Alemanha, os alemães nunca dormem com o aquecedor ligado, por duas razões: (1) resseca muito o ar e (2) sair de um lugar muito quente para um lugar muito frio pode causar resfriado. Quando eu recebi a chave do quarto, a moça me explicou que era para deixar as janelas do quarto abertas durante algumas horas por dia. Depois fechá-las para, só então, ligar o aquecimento. Então, os alemães aquecem e resfriam os cômodos da casa todos os dias.
Principal teatro de Aachen.

Comentei isso com um amigo canadense e ele me falou: “No Canadá, não fazemos assim. Se você fizer algo assim lá, você congela.”. Ele me perguntou se os aquecedores na Alemanha são à base de água ou elétricos. Eu não sei responder ao certo, mas parece que são à base de água. O canadense falou que talvez isso explique porque os alemães têm que abrir as janelas durante o inverno... Mas eu não entendi direito. Aquecedores à água ressecam mais o ar?
Esse mesmo amigo também contou que, em Nova Iorque, o sistema de aquecimento é ainda menos eficiente. Parece que por lá existe uma lei que diz que o proprietário é responsável em manter qualquer parte do prédio acima de uma determinada temperatura em qualquer época do ano. Por causa disso, os proprietários mantêm os prédios superaquecidos. Em alguns casos, os escritórios têm ar condicionado para resfriar o ambiente aquecido do prédio. Então, no inverno, eles podem gastar energia, ao mesmo tempo, com aquecedores e ar condicionados.
Igreja católica erguida em 1508 em homenagem ao santo Follian (bispo da região).

Perguntei sobre aquecimento para outro amigo que trabalhou e morou muito tempo na Suécia e ele me disse que nunca ligou o aquecimento como os alemães fazem e que nenhum sueco falou para ele fazer desse jeito. Ele inclusive achava que se fizesse isso na Suécia, iria congelar como no Canadá.
Não cheguei a lê-lo, mas na primeira vez que vim à Alemanha (2012), comprei um livro em inglês e alemão chamado Como se tornar alemão (Wie man Deutscher wird in 50 einfachen Schritten / How to be German in 50 easy steps: Zweisprachiges Wendebuch Deutsch/Englisch). O autor é um jornalista (acho que norte-americano), que mora na Alemanha há muitos anos. No livro, ele fala, com muito humor, da fissura dos alemães por manter a janela aberta no inverno. Ele chegou a perguntar para uma namorada alemã se ela achava que eles iriam morrer sufocados ou algo assim...

Capa do livro sobre como se tornar alemão.

É diferente. É um pouco engraçado. Parece energeticamente ineficiente. Mas cada povo com sua cultura. Já me adaptei com manter os ambientes sempre um pouco frios durante o dia por causa das janelas abertas. Encontrei um estúdio de Yoga. Para praticar Yoga, é até gostoso.
Estou com problemas com a internet aqui. Então, embora esteja escrevendo este texto no domingo à noite, infelizmente, não sei quando conseguirei postá-lo. Mil desculpas.
Muito obrigada a você que acompanha o nosso trabalho. Por favor, fique à vontade para deixar seus comentários. Também é possível acompanhar as novidades pela nossa página no Facebook.
BOA SEMANA!
BOAS LEITURAS!


Comentários

  1. Acho bom vc contar da beleza da Bélgica sim ! :):):) (Ré)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo comentário. Segue o seu pedido:

      https://600livros.blogspot.com/2019/02/brasil-e-belgica.html

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

VIDA DE DOUTORANDA NO BRASIL... PRA COMEÇO DE CONVERSA, EU NÃO ESTUDO. EU TRABALHO COM PESQUISA

ESCRITORAS REJEITADAS PELA ABL: CONCEIÇÃO EVARISTO E CLARICE LISPECTOR

ALEMANHA - KARLSRUHE - PARTE II