ALEMANHA - KARLSRUHE - PARTE II

E a viagem continua... Voltamos para Alemanha, pelo aeroporto de Baden-Baden. Karlsruhe é uma cidade linda. Mas, já estou em Aachen, então, está um pouco difícil escrever de memória.

Tribunal Constitucional Federal da Alemanha.
O Tribunal Constitucional Federal da Alemanha (uma espécie de Suprema Corte) fica em Karlsruhe. É muito interessante como o sistema judiciário alemão funciona. Vale a pena dar uma conferida no link da Wikipédia em português. Infelizmente, não pude entrar por questões de segurança.

Castelo de Durlach.

Também fomos para um vilarejo próximo chamado Durlach. O fundador de Karlsruhe era o marquês de Baden-Durlach. Em Durlach, há uma montanha e um castelo. Para subir a montanha, usa-se um funicular (uma espécie de trenzinho), alegadamente o mais antigo da Alemanha.

Funicular mais antigo da Alemanha.

A primeira vez que andei em um funicular foi em Paranapiabaca, cidade de Santo André na Grande São Paulo. Lá eles explicaram direitinho a diferença entre trem e funicular. Além disso, a vila inglesa é muito acolhedora e bonita. Se tiver oportunidade, vá conferir! Saiba mais clicando aqui.

Parque em Durlach

Agora voltando para Alemanha. O clima estava muito nublado. Mas andamos ao redor do castelo e pela floresta. No meio da mata, encontramos um parque fantástico para crianças brincarem (provavelmente, no verão). Achei fantástico! Se eu fosse uma criança alemã e tivesse um parque daqueles perto da minha casa, eu iria brincar muito.

Museu da Literatura.

Em outro dia, visitamos o Museu da Literatura de Karlsruhe, que prestigia os escritores da cidade e da região. Lá também têm livros da Idade Média, manuscritos e obras raras. Uma curiosidade que não sabia é que a primeira tradução escritor italiano Curzio Malaparte (1898 – 1957) foi feita em Karlsruhe. No livro, A Pele, o escritor criticava uma autoridade local da cidade. Esse oficial abriu um processo contra o escritor. Acabou não dando em nada, mas ajudou a promover o livro internacionalmente.

Museu da Literatura.

Os principais escritores homenageados são: Johann Peter Hebel e Joseph Victor von Scheffel. Von Scheffel era filho de pais que viviam juntos, mas nunca se casaram (isso em 1826). Ele sofreu uma doença nos olhos e teve que superar muitas dificuldades para vencer a cegueira (assim como Machado de Assis).

Homenagem a Joseph Victor von Scheffel nos jardins do castelo de Heidelberg.
Além disso, o filósofo Heidegger era da região (Baden-Wüttemberg). Ele escreveu biografias sobre escritores da sua região, sobre o Hebel e sobre o monge católico Abraham a Santa Clara.
Entre as mulheres, destaca-se Caroline Louise von Baden (1723-1783), esposa do marquês de Baden, que exercia a profissão de ilustradora de livros. Também teve Bettine von Armin (1785-1859), uma escritora defensora dos direitos da mulher. A escritora Karoline von Günderrode (1780-1806), que teve uma vida trágica. Também descobrimos as escritoras Annette von Droste-Hülshoff (1797-1848), Hermine Villinger (1849-1917), Marie Luise Kaschnitz (1901-1974), Lotte Paepcke (1910-200) e Annette Kolb (1870-1967). Esta última teve suas obras proibidas pelo governo de Hitler e foi forçada a viver no exílio.

Vista da cidade e do castelo de Heidelberg, a partir dos jardins do castelo.
Depois disso, fui dar uma volta em Heildeberg, uma cidade próxima, famosa pelo castelo. Lá também tem o funicular “mais antigo da Alemanha”. O escritor von Scheffel trabalhou e morou por lá. O escritor Goethe vinha sempre pela região (tanto em Heidelberg quanto em Karlsruhe) e teve um amor platônico por uma moça de Karlsruhe chamada Friederike Brion. Vi um clube de falcoaria em Heidelberg. O primeiro da minha vida. Mas sabia que existe no Brasil também.

Ano Novo em Karlsruhe. A pirâmide é o local onde está enterrado o fundador da cidade.

Dia 31 de dezembro, fui ver os fogos no centro da cidade. Os alemães não podem comprar fogos de artifício e soltá-los, exceto neste dia. Então eles vão para o centro e soltam. É muito perigoso, porque, muitas vezes, eles estão bêbados e não sabem manuseá-los. As imagens ficaram bonitas, mas é muito perigoso.
Para finalizar, antes de partir de Karlsruhe, visitei o Museu de História Natural. Fantástico! Têm animais vivos e empalhados, além de fósseis e uma coleção enorme de peças. Destaco que a parte de mineralogia começou com Caroline Louise von Baden (1723-1783). Ela era uma estudiosa do assunto e chegou a ser reconhecida pelos cientistas da época, pelo seu conhecimento em mineralogia. Ela parecia ser uma mulher dinâmica, à frente do seu tempo.

Museu de História Natural.
Muito obrigada a você que acompanha o nosso trabalho. Por favor, fique à vontade para deixar seus comentários. Também é possível acompanhar as novidades pela nossa página no Facebook.
BOA SEMANA!
BOAS LEITURAS!



Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

VIDA DE DOUTORANDA NO BRASIL... PRA COMEÇO DE CONVERSA, EU NÃO ESTUDO. EU TRABALHO COM PESQUISA

ESCRITORAS REJEITADAS PELA ABL: CONCEIÇÃO EVARISTO E CLARICE LISPECTOR

DO QUE A MINHA AVÓ MORREU? DE UM AVC (ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL) E MUITA IGNORÂNCIA